segunda-feira, 26 de junho de 2017

Harry Potter, 20 anos: como livro rejeitado por editoras se tornou fenômeno infantojuvenil

Dá para acreditar que já se passaram 20 anos do lançamento de Harry Potter e a Pedra Filosofal? Foi quando chegou às lojas o primeiro livro de Joanne Rowling, como era conhecida até então, que inventara a história do menino mago de óculos durante uma viagem de trem entre Londres e Manchester


Ela terminou o manuscrito em 1995, boa parte dele escrito em cafés em Edimburgo, na Escócia, enquanto sua filha, ainda bebê, do primeiro casamento, dormia num carrinho. 

Depois de muitas rejeições, o manuscrito foi finalmente aceito pela editora Bloomsbury. A primeira impressão de capa dura, lançada em 26 de junho de 1997, tinha apenas 500 cópias. 



Então, algo mágico aconteceu. O primeiro livro - e os outros seis da série - venderam ao todo mais de 450 milhões de cópias ao redor do mundo. 

Abaixo mostramos como o fenômeno Harry Potter jogou um feitiço na cena cultural das últimas duas décadas.



J.K. Rowling transformou o consumo de livros, especialmente para crianças, em algo próximo a um vício. 

Quer uma prova? O lançamento no Reino Unido de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, em 1999, foi marcado para 15h45 para evitar que crianças e adolescentes na Inglaterra e no País de Gales faltassem a escola para ter uma cópia.

Os livros posteriores fizeram um megassucesso, e continuaram sendo devorados por crianças. A essa altura, já não era problema algum um adulto ser visto lendo livros da série - e vários deles foram lançados com capas mais compatíveis com o público mais maduro. 

O lançamento dos livros ganhou manchetes: quando o quarto livro, Harry Potter e o Cálice de Fogo, saiu, em 2000, livrarias do mundo inteiro combinaram para coordenar o primeiro lançamento global, à meia-noite. 

Quando Rowling recebeu um diploma honorário da Universidade de St. Andrews naquele ano, a instituição escocesa comentou que ela tinha provado que livros para crianças "ainda conseguem capturar e encantar uma imensa audiência, independentemente das atrações concorrentes da televisão, Nintendo, Gameboy e Pokémon".

Levou pessoas a escrever

 

 Foto: Fãs de Harry Potter na pré estreia do último filme Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 2 

Os livros do Harry Potter abriram caminho para toda uma gama de novas séries de ficção fantástica para jovens adultos. 

Muitas delas foram chamadas de "o próximo Harry Potter", como Artemis Fowl, As Crônicas de Spiderwick e Desventuras em Série.

Será que teríamos Crepúsculo e Jogos Vorazes se Potter não tivesse dado o primeiro passo? 

E não podemos esquecer do fenômeno da fanfiction - a ficção de fãs. A internet tem dezenas de milhares de histórias não oficiais sobre a vida em Hogwarts, os Dursleys e o que os gêmeos Weasley fazem em festas.

Deixou-nos a todo vapor com trens 

Para uma geração de crianças que cresceu com Thomas e Seus Amigos e O Expresso Polar, houve de repente um novo e brilhante trem a vapor. Sim, o Expresso Hogwarts.

Nenhuma viagem para a estação de King's Cross em Londres é completa sem uma selfie na "Plataforma Nove e Três Quartos". 


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário