quinta-feira, 16 de março de 2017

Paris: Hollande chama explosão de carta-bomba no FMI de atentado Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/paris-hollande-chama-explosao-de-carta-bomba-no-fmi-de-atentado-21068985#ixzz4bUsi0G7j © 1996 - 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.


Vítima que abriu envelope está entre a vida e a morte, segundo presidente




PARIS — Uma pessoa ficou gravemente ferida nesta quinta-feira ao abrir uma carta-bomba que explodiu em um escritório do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Paris. A vítima, uma assistente da direção da organização, teve queimaduras nas mãos e no rosto pelo explosivo caseiro e, segundo o governo, agora está entre a vida e a morte. Anteriormente, a polícia havia dito que ela havia sofrido apenas ferimentos leves. O presidente francês, François Hollande, chamou o episódio de um atentado, e a França acionou o seu alerta de terrorismo.


Em sua conta no Twitter, o departamento de polícia de Paris informou que uma operação estava em andamento nos escritórios do FMI e do Banco Mundial, que foram esvaziados. A explosão não provocou danos ao edifício, onde estavam cerca de 150 funcionários, mas os relatos são de que os estilhaços chegaram ao teto. O local fica entre o Arco do Triunfo e a Torre Eiffel, dois importantes pontos turísticos da capital francesa. Não está claro quem enviou a carta.
— É um atentado. Não há outra palavra — disse Hollande. — Devemos buscar todas as causa e encontrar os culpados. Nós o faremos com obstinação e perseverança até o fim.

A investigação foi confiada à polícia judiciária parisiense, enquanto a polícia científica já se encontra trabalhando no local. O pacote havia sido endereçado ao chefe do escritório europeu do FMI, segundo fontes policiais, e, por isso, quem o abriu foi a sua assistente. Autoridades disseram à imprensa francesa que havia um cilindro preto dentro do pacote.
A chefe do FMI, Christine Lagarde, condenou a explosão e chamou o episódio de "um ato covarde de violência".

— Eu condeno este covarde ato de violência e reafirmo a decisão do FMI de continuar a trabalhar em linha com nosso mandato. Nós estamos trabalhando de perto com as autoridades francesas para investigar este incidente e garantir a segurança dos nossos funcionários — disse Lagarde.


Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. Segundo o chefe da polícia parisiense, Michel Cadot, a carta-bomba era um explosivo caseiro. Ele relatou que, nos últimos dias, foram registradas ameaças pelo telefone. No entanto, ainda não está claro se estes episódios têm ligação com a explosão no FMI.




O incidente, apenas seis semanas antes das eleições presidenciais, ocorre no momento em que um grupo militante grego, Conspiração das Células de Fogo, reivindicou a responsabilidade por uma bomba enviada ao ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schaeuble, na quarta-feira. O pacote, que foi descoberto no setor de correios do ministério, continha uma mistura geralmente utilizada para a produção de material pirotécnico, segundo indicou a polícia. De acordo com um porta-voz da polícia, também foi encontrado "uma espécie de detonador".

Enquanto isso, no mesmo dia, um tiroteio em uma escola na cidade de Grasse, na França, deixou vários feridos, informou a polícia francesa nesta quinta-feira. Autoridades não comentaram por enquanto se existe uma possível relação entre os dois episódios.
A França permanece em estado de emergência depois de uma série de ataques extremistas islâmicos mortais nos últimos dois anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário