quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Funcionários da Replan bloqueiam a Zeferino Vaz contra terceirizações


Trabalhadores da Replan (Refinaria de Paulínia) e integrantes de movimentos sociais bloquearam por cerca de 20 minutos, na manhã de ontem, a Rodovia Professor Zeferino Vaz (SP-332), no trecho entre Campinas e Paulínia. Houve lentidão de cerca de três quilômetros e reflexos após a liberação da pista. Os cerca de 500 manifestantes, segundo a organização, protestam contra a terceirização de serviços.
 
 
De acordo com a concessionária responsável pelo trecho, a Rota das Bandeiras, o congestionamento chegou a cerca de três quilômetros entre 6h55 e 7h15, a partir do km 132, em Campinas. Por volta das 8h30, ainda havia um quilômetro e meio de lentidão.
 
"O resultado desse julgamento (da súmula 331 do Supremo Tribunal Federal, que regula a terceirização) pode ampliar terceirização para atividade fim da empresa. Por exemplo, na Replan, a gente faz operação para transformar petróleo em derivado. Essa operação não pode ser terceirizada para outra empresa. Os operadores têm que ser da Petrobras. O que regula isso é essa súmula do STF que impede a terceirização da atividade fim", justificou o diretor do Sindpetro (Sindicato dos petroleiros de Paulínia), Marcelo Garlitt.
 
Por volta das 9h30, os manifestantes se reuniram em frente à Replan para debater as propostas de diferentes categorias e setores da empresa. Eles faziam discursos e gritavam palavras de ordem.
 
ENGAVETAMENTO
 
Câmeras da Rota das Bandeiras registraram um engavetamento com dez veículos na mesma rodovia, por volta das 8h30, na altura do km 111, próximo ao semáforo da Avenida Theodureto de Almeida Camargo, em Campinas. Ninguém se feriu. Dois carros tiveram de ser retirados da pista para o acostamento e os outros oito seguiram viagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário