segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Servidores de Americana decidem por nova greve


Os servidores públicos municipais de Americana decidiram pela retomada da greve ontem, em virtude do atraso no pagamento dos salários. É a quarta paralisação desde julho. A assembleia da categoria ocorreu na área de lazer do servidor. A paralisação terá início à 0h de quinta-feira e terminará apenas quando a prefeitura quitar todos os vencimentos do mês, segundo o SSPMA (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Americana).
 
O diretor de Segurança do sindicato, contou que cerca de 110 funcionários participaram da reunião. Ele informou que o SSPMA notificará a população sobre a greve hoje, pelo Facebook. De acordo com o sindicalista, a paralisação só pode começar pelo menos 72 horas após o aviso. Vanzo relatou que nenhum trabalhador ficou contra a volta da greve. 
 
Segundo ele, uma liminar da Justiça exige que, no mínimo, 80% do quadro de servidores de cada setor trabalhe durante a paralisação. "Se o número de funcionários que aderirem à greve ultrapassar os 20%, vamos fazer uma escala de trabalho", comunicou.
 
Conforme o TODODIA noticiou ontem, a prefeitura divulgou à imprensa que o salário dos servidores, que deveria ter sido pago anteontem, terá a primeira parcela depositada na terça-feira e que o valor depositado dependerá do fluxo de caixa. "Para o sindicato, a prefeitura não se manifestou sobre isso", disse Vanzo. Desde julho, os servidores entraram em greve três vezes pelos constantes atrasos e parcelamentos de salários, que ocorrem consecutivamente desde maio. 
 
Em agosto, funcionários da Câmara também realizaram uma paralisação por conta do mesmo problema, que foi gerado pelo atraso no repasse do duodécimo da administração municipal para o Legislativo. As greves foram suspensas quando houve a quitação dos salários.
 
As ligações para os celulares dos assessores de imprensa da prefeitura não foram atendidos à tarde, assim como os telefonemas para o prefeito Omar Najar (PMDB) e para o secretário municipal de Negócios Jurídicos, Alex Niuri.

Nenhum comentário:

Postar um comentário